W
NW
N
N
NE
W
the Degree Confluence Project
E
SW
S
S
SE
E

Brazil : São Paulo

11.6 km (7.2 miles) SSW of São Francisco Xavier, São Paulo, Brazil
Approx. altitude: 758 m (2486 ft)
([?] maps: Google MapQuest Multimap world confnav)
Antipode: 23°N 134°E

Accuracy: 3 m (9 ft)
Click on any of the images for the full-sized picture.

#2: View to the South #3: View to the West #4: View to the North #5: View to the East #6: GPS reading #7: The Confluence Hunters #8: Signpost near the gate #9: During the first attempt #10: View 300 m from the Confluence at the valley bottom

  { Main | Search | Countries | Information | Member Page | Random }

  23°S 46°W (visit #2)  

#1: The Confluence from 20 m distance

(visited by Rainer Mautz)

Portuguese

26-Dec-2017 -- This is the 1st out of 11 reports reaching confluence points (2 of them new) during our two-week trip through southern Brazil and eastern Paraguay. The itinerary and additional pictures can be found here.

Our trip began at the São Paulo–Guarulhos International Airport where we met the active Brazilian confluence hunter José in the early morning at our arrival from Europe. José had arrived by a night bus from his parents’ house in Lavras, located in Southern Minas Gerais state.

After renting our vehicle we directly took course towards this confluence point, which was 2 hours (112 km) from the airport. The last 5 km turned out to be extremely rough (steep, slippery, and stony) while coming from the south-east. Finally, we parked near a closed gate at 1.5 km distance. From the satellite image, we knew that the confluence point is directly located at a track. So it should be possible to reach the confluence without hiking through the jungle. However, the satellite image doesn’t show where the track starts and ends.

While Elionora waited in the car, José and I followed the track beyond the gate. After walking 300 m, the track forked into an upper and a lower track. We opted for the upper one and followed it. But after a sweaty uphill climb the track didn’t seem to reach the confluence area. We hiked over an open meadow but had to give up when we reached the edge to a steep decline.

We hiked half way back and started a second attempt on an abandoned track leading downwards. At a remaining distance of only 250 m to the confluence, the track ended abruptly. We climbed further down through a dense bamboo forest until it got dangerously steep. We had to give up at this point.

I ran back to the car to find out if Elionora was still doing well and patient enough for a third attempt. She was, so we took the lower track, which indeed misses the confluence by only 300 m. However, we didn’t find any track towards the confluence and the terrain appeared very steep. We decided that I would find my way up alone while José would slowly return to the car.

The hill was steep, but easy to get through and after 100 m I had reached the mysterious track which I followed another 200 m upwards until I had reached the confluence point located directly on the track. The vegetation at the confluence consists of huge fern trees, bamboo, and various species of trees. The track appears to be not old, but rarely used. I didn’t follow it on the other side, so the mystery about it remains.

In just 10 minutes I was back to the car. We continued the road northwards to São Francisco Xavier – which was a much easier road compared to the road we had come from.

CP Visit Details:

  • Distance of car parking: 1.6 km
  • Time to reach the CP from the track: 10 minutes
  • Time at the CP: 2:31 PM
  • Measured height: 775 m
  • Minimal distance according to GPS: 0 m
  • Position accuracy: 3 m
  • Topography: steep mountain grade
  • Vegetation: dense jungle with ferns and bamboo
  • Weather: partly cloudy, 27° C (felt temperature)
  • Given Name: The Mysterious Track Confluence

The story continues at 22°S 45°W.

Portuguese

26-Dez-2017 -- Esta é a 1a de 11 confluências (2 delas inéditas) visitadas durante nossa viagem de duas semanas pelo sul do Brasil e leste do Paraguai. O itinerário e fotos adicionais podem ser vistas aqui.

Nossa viagem começou no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, onde nós encontramos, de manhã bem cedo, o ativo caçador de confluências José, em nossa chegada da Europa. José havia chegado de uma viagem noturna de ônibus proveniente da casa de seus pais em Lavras, no sul do estado de Minas Gerais.

Depois de alugarmos nosso carro, nós seguimos direto para esta confluência, que fica a 2 horas (112 km) do aeroporto. Os últimos 5 km foram extremamente difíceis (íngremes, escorregadios e cheios de pedras) em nosso acesso vindo da direção sudeste. Finalmente, nós paramos o carro próximo a um portão trancado a 1,5 km de distância. A partir da imagem de satélite, nós sabíamos que o ponto exato localiza-se exatamente sobre uma estrada. Assim, seria possível alcançar a confluência sem caminhar pela mata. Entretanto, a imagem de satélite não mostra onde a estrada se inicia e onde termina.

Enquanto Elionora aguardava no carro, José e eu seguimos a estrada após o portão. Depois de caminhar 300 m, a estrada bifurcava em dois caminhos: um em direção a uma parte mais alta e o outro em direção a uma parte mais baixa. Nós optamos pelo caminho na direção mais alta e o seguimos. Porém, depois de uma subida leve a estrada não nos pareceu que iria na direção da confluência. Nós caminhamos em um campo aberto mas tivemos de desistir quando chegamos na borda de uma descida íngreme.

Retornamos metade da distância e iniciamos uma segunda tentativa em uma trilha abandonada que seguia montanha abaixo. Quando faltava apenas 250 m até a confluência, a trilha terminou abruptamente. Nós descemos através de uma densa floresta de bambu até o caminho se tornar perigosamente íngreme. Nesse ponto, tivemos novamente que desistir.

Eu corri de volta até o carro para ver se Elionora estava bem e se ela ainda tinha paciência suficiente para aguardar uma terceira tentativa. Ela tinha, então nós pegamos a outra estrada, na direção da parte mais baixa, que se desviava da confluência por apenas 300 m. Entretanto, nós não encontramos nenhuma trilha na direção do ponto e o terreno parecia, novamente, muito íngreme. Nós decidimos que eu tentaria sozinho encontrar o caminho montanha acima enquanto José lentamente retornaria para o carro.

A montanha era íngreme, mas o caminho era fácil e depois de 100 m eu encontrei a estrada misteriosa, a qual eu segui por outros 200 m até encontrar a confluência, localizada exatamente sobre ela. A vegetação no ponto exato se consiste em enormes samambaias, bambus e outras espécies de árvores. A estrada não parece ser antiga, mas raramente utilizada. Eu não a segui até o outro lado, por isso, o mistério sobre ela permanece.

Apenas 10 minutos depois, eu estava de volta ao carro. Nós continuamos pela estrada na direção norte até São Francisco Xavier – que foi uma estrada muito mais fácil em comparação com a estrada pela qual nós chegamos.

Detalhes da visita:

  • Distância a partir do carro: 1,6 km
  • Tempo da estrada até a confluência: 10 minutos
  • Horário na confluência: 2h31min PM
  • Altitude medida: 775 m
  • Distância mínima de acordo com o GPS: 0 m
  • Precisão: 3 m
  • Topografia: montanhosa íngreme
  • Vegetação: mata fechada com samambaia e bambu
  • Clima: parcialmente nublado, 27° C (sensação térmica)
  • Nome da confluência: Confluência da Estrada Misteriosa

A história continua na visita ao ponto 22°S 45°W.


 All pictures
#1: The Confluence from 20 m distance
#2: View to the South
#3: View to the West
#4: View to the North
#5: View to the East
#6: GPS reading
#7: The Confluence Hunters
#8: Signpost near the gate
#9: During the first attempt
#10: View 300 m from the Confluence at the valley bottom
ALL: All pictures on one page (broadband access recommended)
  Pending visits
Submitted  Visit date  Name  Success?  Status? 
24-Jul-18  20-Jul-18  José Eduardo Guimarães Medeiros  yes  pending