W
NW
N
N
NE
W
the Degree Confluence Project
E
SW
S
S
SE
E

Brazil : Rio Grande do Norte

7.6 km (4.7 miles) WSW of Vicosa, Rio Grande do Norte, Brazil
Approx. altitude: 600 m (1968 ft)
([?] maps: Google MapQuest Multimap world confnav)
Antipode: 6°N 142°E

Accuracy: 5 m (16 ft)
Click on any of the images for the full-sized picture.

#2: GPS #3: Visão norte - north view #4: Visão leste - east view #5: Visão sul - south view #6: Visão oeste - west view #7: Trilha que dá acesso à confluência - track that goes to the confluence #8: A trilha começa aos fundos desta casa - track starts at the backyard of this house #9: Bela paisagem vista a partir da cidade serrana de Portalegre - beautiful landscape viewed from the montainous city of Portalegre #10: Entrada da cidade - city entrance

  { Main | Search | Countries | Information | Member Page | Random }

  6°S 38°W (visit #3)  

#1: Visão geral - general view

(visited by José Eduardo Guimarães Medeiros)

English

05-Jan-2013 -- Depois de quase dez meses morando em Fortaleza, eu, minha esposa, minha enteada e meu filho aproveitamos as férias para fazermos uma longa viagem de carro a Minas Gerais, nosso estado de origem, localizado a mais de dois mil quilômetros de distância. Nosso planejamento, tanto na ida quanto na volta, seria viajar durante cinco dias, incluindo dois dias dirigindo, um dia descansando e mais dois dias dirigindo.

O percurso de ida seria um pouco mais longo, porque não utilizaríamos o caminho mais direto. Nossa intenção era desviar um pouco da rota para podermos conhecer o estado de Sergipe e sua capital, Aracaju. O percurso ainda tinha uma série de vantagens, em termos de buscas a novas confluências. Entre Fortaleza e Aracaju, havia quatro confluências relativamente fáceis, passíveis de serem visitadas ao longo da viagem, e duas delas se localizam em estados nos quais eu nunca visitei confluências. E em Aracaju há uma confluência jamais visitada, localizada em alto mar e a menos de cinco quilômetros da costa, uma distância não muito grande para ser vencida, caso eu conseguisse uma carona em alguma embarcação.

Para o caminho de ida, portanto, eu planejei cinco visitas a confluências. No primeiro dia, as confluências 06S 38W e 07S 37W, a primeira no estado do Rio Grande do Norte e a segunda no estado da Paraíba. No segundo dia de viagem, as confluências 08S 37W e 10S 37W, a primeira no estado da Paraíba e a segunda no estado de Sergipe. E, finalmente, no dia livre que eu iria passar em Aracaju, eu tentaria visitar a confluência inédita 11S 37W, localizada em alto mar e bem em frente à cidade. De Aracaju em diante, até Belo Horizonte, eu não planejei nenhuma confluência, porque todas as confluências relativamente fáceis pelas quais eu passaria nos estados da Bahia e de Minas Gerais eu já visitei em oportunidades anteriores.

Saímos de Fortaleza bem cedo, por volta das 6 horas, seguimos pela BR-116 os primeiros 170 quilômetros até a cidade de Russas, ainda no estado do Ceará. Nesse ponto começou nosso desvio do caminho principal, e voltaríamos à rodovia BR-116 apenas no quarto dia da viagem. Pegamos uma rodovia secundária em direção à cidade de Mossoró no estado vizinho do Rio Grande do Norte.

Passamos por Mossoró, pegamos a BR-405 e seguimos rumo ao sul, margeando a divisa entre os estados do Ceará e Rio Grande do Norte. Já no sul do Rio Grande do Norte, começamos a subir uma serra em direção à cidade de Portalegre, onde se localiza a confluência 06S 38W.

Atravessamos a cidade, pegamos uma estrada de terra e seguimos por cerca de 3 quilômetros, até pararmos próximo à casa citada pelos visitantes anteriores da confluência, de propriedade do Sr. Agripino, aos fundos da qual começa a trilha que segue até o ponto exato. Os visitantes anteriores tiveram a oportunidade de conversar com o proprietário da casa, e há inclusive fotos dele nas narrativas anteriores. A estrada de terra passa a 429 metros do ponto exato.

Assim que paramos o carro, começamos a conversar com um vizinho da citada casa, que tinha conhecimento das visitas anteriores ao ponto. Ele nos disse que o Sr. Agripino estava em sua casa, mas estava meio adoentado e de cama. Eu disse a ele então que iria fazer a visita à confluência evitando incomodá-lo.

Passei pela lateral da casa e, aos fundos, peguei a trilha. De fato, ela nos leva até o ponto exato. No caminho passei por um momento difícil. Ao atravessar um trecho de caatinga, um galho passou tão próximo do meu olho direito que arrancou a lente de contato e a jogou no chão. Felizmente não machuquei, e ainda consegui encontrar a lente. Como ela estava suja, tive de guardá-la no bolso e aguardar a volta ao carro para limpá-la.

Sem novos contratempos, cheguei ao ponto exato e consegui zerar o GPS. Esta é a minha primeira confluência no estado do Rio Grande do Norte. A confluência foi visitada no quilômetro 399 da viagem.

Após a visita, voltamos à cidade de Portalegre e almoçamos, pois já passava do meio-dia.

A cidade de Portalegre destaca-se na região por ser uma cidade serrana em meio ao sertão nordestino. A partir da cidade podemos contemplar, inclusive, belas paisagens da região. O nome da cidade é curioso, porque o estado do Rio Grande do Sul tem como capital a cidade de Porto Alegre, nome quase igual ao da citada cidade do Rio Grande do Norte. A origem do nome, no entanto, nada tem a ver com a sua quase homônima do sul.

Após o almoço, retomamos a viagem, em direção à Paraíba e à segunda confluência do dia. Passamos pela cidade de Sousa, conhecida por abrigar o Vale dos Dinossauros, um sítio arqueológico onde se registra a maior incidência de pegadas de dinossauros no mundo. Mas, sem tempo para visitá-lo, seguimos viagem.

Nossa viagem terminaria na cidade de Patos, na Paraíba, onde passaríamos a noite. Pretendíamos, no entanto, passar direto por esta cidade, seguir até a cidade de São Mamede, visitar a confluência 07S 37W e só então voltar para Patos. Entretanto, quando chegamos a Patos já era noite e não tivemos nenhuma possibilidade de visitar a segunda confluência do dia. No primeiro dia da viagem, percorremos 676 quilômetros.

A história continua na narrativa da visita 08S 37W.

English

05-Jan-2013 -- After almost ten months living at Fortaleza city, I, my wife, my step-daughter and my son spent our vacations making a great trip to Minas Gerais, the state where we were born, located more than two thousand kilometers distant. Our plan, going and coming back, would be to travel during five days, including two days driving, one day resting and two more days driving.

When going, the way would be longer, because we wouldn’t use the straight way. Our intention would be make a detour in order to know the Sergipe state and its capital, Aracaju. This way, in the other hand, would have a lot of advantages related to confluence hunting. From Fortaleza to Aracaju, there would be four relatively easy confluences, accessible in this trip, two of them located in states where I never visited confluences. And at Aracaju there is a never visited confluence, located offshore and less than five kilometers to the land, a not too great distance, if I get some kind of ship.

When going, then, I planned five confluence visits. In the first day, the 06S 38W and 07S 37W ones, the first in Rio Grande do Norte state and the second in Paraíba state. In the second day, the 08S 37W and 10S 37W confluences, the first in Paraíba state and the second in Sergipe state. And, finally, in the resting day at Aracaju, I would attempt the unvisited confluence 11S 37W, located offshore and in front of the city. From Aracaju to Belo Horizonte, the second half of the trip, I didn’t plan any confluence visit, because all relatively easy confluences, in which I would pass, in Bahia and Minas Gerais states, had already visited by me.

We left Fortaleza city very early, about 6:00, followed by BR-116 highway the first 170 kilometers up to Russas city, yet in Ceará state. At this point, our detour started, and we would come back to BR-116 highway only in the forth day of the trip. We caught a secondary highway up to Mossoró city, in the neighbor state of Rio Grande do Norte.

We passed by Mossoró, caught BR-405 highway and headed to south, edging the border between Ceará and Rio Grande do Norte states. In the south of Rio Grande do Norte, we started to rise a mountain up to arrive at Portalegre city, where lies the 06S 38W confluence.

We crossed the city, caught a dirt road and followed by about 3 kilometers up to stop near the house cited by previous visitors, owned by Mr. Agripino. At the backyard of this house starts the track that go up to the exact point. The previous visitors talked with the owner of the house, and there are photos of him in the previous narratives. The dirt road passes 429 meters to the exact point.

When we stopped the car, we started to chat with a neighbor of the cited house. He remembers of previous visits to the confluence. He say that Mr. Agripino was in his home, but he is sick and in bed. I then said that I would make the confluence visit avoiding disturb him.

I passed by the lateral of the house and, at its backyard, I caught the track. In fact, it follows up to the exact point. In the track I passed by a bad moment. When crossing a bush, a branch passed so near to my right eye that it ripped my contact lens, and dropped it in the ground. Fortunately it didn’t hurt me, and I got to find the lens. As it was dirt, I needed to put it in the pants pocket and wait the return to the car to clean it.

Without any other surprises, I arrived at the exact point and got all GPS zeroes. This was my first confluence in Rio Grande do Norte state. The confluence was visited in kilometer 399 of the trip.

After visiting the point, we turned back to Portalegre city and have lunch, due to it was afternoon.

The Portalegre city is interesting because it’s a mountainous and pleasant city inside the hot and arid region of Brazilian’s northeast. From the city we can see beautiful landscapes of the region. The name of the city is curious, because the capital of Rio Grande do Sul state is named Porto Alegre, very similar name of the cited city of Rio Grande do Norte state. The origin of the name, however, isn’t related to its almost homonymous from the south.

After having lunch, we returned to the trip, heading to Paraíba state and to the second confluence of the day. We passed by Sousa city, famous due to its Vale dos Dinossauros (Dinosaurs Valley), an archeological site where was recorded the greatest amount of dinosaurs footprints of the world. But, without enough time to visit it, we went ahead.

Our trip would stop at Patos city, where we would spend the night. We would intent, however, to cross the city, to go up to São Mamede city, to visit the confluence 07S 37W and then to come back to Patos. However, when we arrived at Patos, it was after sunset and we can’t visit the second confluence of the day. In the first day of the trip, we drove 676 kilometers.

This narrative continues on 8S 37W.


 All pictures
#1: Visão geral - general view
#2: GPS
#3: Visão norte - north view
#4: Visão leste - east view
#5: Visão sul - south view
#6: Visão oeste - west view
#7: Trilha que dá acesso à confluência - track that goes to the confluence
#8: A trilha começa aos fundos desta casa - track starts at the backyard of this house
#9: Bela paisagem vista a partir da cidade serrana de Portalegre - beautiful landscape viewed from the montainous city of Portalegre
#10: Entrada da cidade - city entrance
ALL: All pictures on one page (broadband access recommended)