W
NW
N
N
NE
W
the Degree Confluence Project
E
SW
S
S
SE
E

Brazil : Amapá

5.2 km (3.2 miles) NW of Colônia Militar Pedro II, Amapá, Brazil
Approx. altitude: 34 m (111 ft)
([?] maps: Google MapQuest Multimap world confnav)
Antipode: 1°S 129°E

Accuracy: 5 m (16 ft)
Click on any of the images for the full-sized picture.

#2: Visão oeste - west view #3: Visão norte - north view #4: Visão leste - east view #5: Visão sul - south view #6: GPS #7: Parei o carro a 124 metros da confluência - I stopped the car 124 meters to the confluence #8: Condições da estrada - conditions of road #9: Início da estrada de terra - beginning of dirt road #10: Iniciando o trecho na estrada de terra secundária - starting the leg in secondary dirt road

  { Main | Search | Countries | Information | Member Page | Random }

  1°N 51°W  

#1: Visão geral - general view

(visited by José Eduardo Guimarães Medeiros)

English

18-Jun-2016 -- Conforme eu citei na visita à confluência 22S 41W, seis meses atrás, em dezembro de 2015, aquela era a minha primeira visita a uma confluência no estado do Rio de Janeiro, e com aquele novo estado eu estava completando visitas a 20 dos 27 estados brasileiros.

Considerando que, a partir de então, ficavam faltando apenas 7 estados para eu realizar visitas a confluências, e considerando que estou planejando uma viagem para o sul do Brasil em janeiro do próximo ano, na qual eu pretendo visitar confluências pela primeira vez nos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, restariam apenas 5 estados da região Norte para ter confluências visitadas. Esse fato me levou a começar a considerar a possibilidade de trabalhar para conseguir uma visita em cada estado brasileiro.

Para alcançar esse objetivo, o maior desafio seria o estado do Amapá, uma vez que, até então, é o único estado brasileiro que nunca teve qualquer confluência visitada. Praticamente todas as confluências do estado localizam-se em regiões de acesso muito difícil, dentro de trechos inacessíveis de Floresta Amazônica, e a única confluência com alguma possibilidade de acesso é a 1N 51W. E mesmo essa confluência, não é possível ter certeza de sua viabilidade. As fotos de satélite do Google Earth não têm resolução muito boa, e, através delas, só é possível ver que a rodovia asfaltada passa a cerca de 20 quilômetros e uma estrada de terra chega a cerca de 7 quilômetros do ponto exato.

A meta de visitar uma confluência em cada estado, portanto, só poderia ser levada adiante se o desafio do Amapá fosse superado. Com tal fato em mente, programei uma viagem para lá.

Peguei um avião em Marabá na sexta-feira, 17 de junho, à noite, e cheguei em Macapá no início da madrugada de sábado, após fazer uma escala em Belém. Aluguei um carro no aeroporto e fui direto para o hotel.

Na manhã seguinte, saí por volta das 8 horas em direção à confluência 1N 51W. Peguei a rodovia BR-156, que estava em ótimas condições, e segui na direção norte por cerca de 150 quilômetros até virar à direita em uma estrada de terra.

Embora eu já estivesse planejando esta viagem para o Amapá desde o início do ano, eu decidi aguardar até o mês de junho para fazer a viagem, com o intuito de evitar a época das chuvas e minimizar o risco de enfrentar um trecho de estrada de terra intransitável. Mas, considerando que esta é a região mais chuvosa de todo o Brasil, é difícil ter certeza de que eu estaria livre das chuvas. E, como não poderia deixar de ser, na véspera da minha visita choveu a noite toda, deixando a estrada de terra com bastante barro e muitos trechos alagados.

Apesar de enfrentar alguma dificuldade em alguns pontos de barro e de alagamento, fui seguindo pela estrada de terra, me aproximando cada vez mais da confluência, inclusive dentro da região em que não era possível ver nas fotos de satélite se havia ou não uma estrada. A distância foi se reduzindo cada vez mais e, para minha grande surpresa, parei o carro a 124 metros do ponto exato! Desci do carro e zerei o GPS com grande facilidade, registrando a primeira confluência do estado do Amapá e fazendo com que todos os estados brasileiros passem a ter pelo menos uma confluência visitada por alguém.

Vencido o maior desafio, eu chego a 21 estados com confluências visitadas, dentre os 27 estados brasileiros, e minha meta de alcançar uma confluência em cada estado brasileiro continua viva. Se eu realmente visitar confluências no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina em janeiro do próximo ano, conforme estou planejando, ficarão faltando apenas quatro estados da região Norte: Amazonas, Roraima, Rondônia e Acre.

Após a visita, fiz todo o caminho de volta até Macapá e parei em um shopping para almoçar. Já eram 14 horas e o período da tarde seria dedicado à tentativa de visitar uma nova confluência. Esta narrativa continua na visita à confluência 0 51W, uma confluência localizada exatamente sobre a Linha do Equador.

English

18-Jun-2016 -- As I cited at 22S 41W confluence visit, six months ago, in December 2015, that was my first visit to a confluence in Rio de Janeiro state, and with that new state, I had just completed visits to 20 out of 27 Brazilian states.

Considering that, from that visit, it had remaining only 7 states to make confluence visits, and considering that I’m planning a trip to south of Brazil at January of next year, in which I intend to visit confluences for the first time in Rio Grande do Sul and Santa Catarina states, it would remain only 5 states in North region of Brazil to have confluence visits. This fact makes me consider the possibility of work to get one visit in each Brazilian state.

In order to reach this objective, the greatest challenge would be Amapá state, due to, until then, it is the unique Brazilian state which confluences had never visited by anyone. Almost all confluences of the state lies in regions with very hard access, in inaccessible areas of Amazon Jungle, and the only confluence with some possibility of access is 1N 51W. In addition, even this confluence, it isn’t possible to be sure of its viability. The satellite photos in Google Earth hasn’t good resolution and, with them, it’s only possible to see that the paved highway passes about 20 kilometers close to the exact point and a dirt road goes up to about 7 kilometers to the exact point.

The aim to visit one confluence per state, then, only could go ahead if the Amapá challenge were overcome. With this fact in mind, I programmed a trip to there.

I caught a plane in Marabá city at Friday, June 17, at evening, and arrived at Macapá city, capital of Amapá state, at 1:00 of Saturday, after making a connection in Belém city. I rented a car in the airport and went straight to the hotel.

In the following morning, I left the hotel about 8:00 heading to the confluence 1N 51W. I caught BR-156 highway, in excellent condition, and headed to north by about 150 kilometers up to turn right in a dirt road.

Although I was planning this trip to Amapá since the beginning of the year, I decided to wait up to June, in order to avoid the period of rains and minimize the risk of facing an impassable dirt road. However, considering that this is the rainiest region of Brazil, it’s difficult to be sure that I would be free of rain. And, in fact, in the eve of my visit the rain fell the entire night, making the dirt road very muddy and with flooded areas.

Although I faced some hardness in some areas of mud and puddles, I went ahead by the dirt road, approximating more and more, including in the region in which it wasn’t possible to see in satellite photos if there was or there wasn’t a road. The distance was decreasing more and more and, to my big surprise, I stopped the car 124 meters to the exact point! I left the car and got all GPS zeroes very easily, recording the first confluence of Amapá state and making all Brazilian states with at least one confluence visited by someone.

Overcome the greatest challenge, I have now 21 out of 27 states with visited confluences, and my objective of visiting one confluence per Brazilian state keeps alive. If I really visit confluences in Rio Grande do Sul and Santa Catarina states at January of next year, as I'm planning, it will remain four states of North region: Amazonas, Roraima, Rondônia and Acre.

After the visit, I made all the way back to Macapá and stopped in a mall to have lunch. It was 14:00 and the afternoon would be dedicated to the attempt to visit a new confluence. This narrative continues on 0 51W confluence, a confluence located exactly at Equator Line.


 All pictures
#1: Visão geral - general view
#2: Visão oeste - west view
#3: Visão norte - north view
#4: Visão leste - east view
#5: Visão sul - south view
#6: GPS
#7: Parei o carro a 124 metros da confluência - I stopped the car 124 meters to the confluence
#8: Condições da estrada - conditions of road
#9: Início da estrada de terra - beginning of dirt road
#10: Iniciando o trecho na estrada de terra secundária - starting the leg in secondary dirt road
ALL: All pictures on one page (broadband access recommended)